HOMEOPATIA:
Ciência, Filosofia e Arte de Curar


Interesse Geral 

Reações Adversas a Medicamentos - Leia a bula!!! 

Reações Adversas a Medicamentos - Leia a bula!!!

 

Reações Adversas a Medicamentos (RAMs) contribuem para o incremento substancial da morbidade e da mortalidade dos pacientes, além de causarem aumento nos custos dos cuidados à saúde.

Muitas RAMs são evitáveis com prescrição e acompanhamento adequado, porque ocorrem, muitas vezes, como uma extensão do mecanismo de ação da droga (efeitos adversos/colaterais) ou como interações medicamentosas conhecidas.  

Os pacientes com maior risco de RAMs incluem aqueles nos extremos de idade (crianças e idosos), aqueles com múltiplas comorbidades (doenças), aqueles que tomam vários medicamentos (polifarmácia) e aqueles internados em unidades de terapia intensiva ou experimentando transições de cuidados.  

Infelizmente, os ensaios clínicos que avaliam a eficácia e a segurança dos medicamentos, em geral, são elaborados com indivíduos adultos sem muitas comorbidades, sendo pouco conhecida a farmacocinética e a farmacodinâmica (metabolismo, excreção, eventos adversos, interações, etc.) destes fármacos quando empregados em crianças e idosos, faixas etárias mais suscetíveis e fragilizadas. 

Como o risco de RAMs torna-se maior à medida que o número de medicamentos aumenta, é imperativo que os prescritores estejam vigilantes a respeito da 'cascata de prescrições' (polifarmácia) e tomem medidas para suspender os medicamentos que apresentem o potencial de serem mais prejudiciais do que benéficos, evitando causar iatrogenias em seus pacientes.

Em vista disto, inúmeros artigos (vide abaixo alguns exemplos) alertam para a importância do conhecimento das RAMs, tanto pelos pacientes quanto pelos profissionais de saúde, ao contrário do desprezo observado na comunidade médica por estes eventos.

Priorizando-se um único efeito terapêutico desejado, desprezam-se os outros inúmeros efeitos adversos/colaterais dos fármacos modernos, que podem alterar a homeostase interna e causar outras doenças e/ou comorbidades quando utilizados de forma crônica.

Como exemplos comuns, teríamos que o uso crônico de hipoglicemiantes orais (diabetes tipo 2) pode causar hipoglicemia (fraqueza, desmaios e quedas), doenças cardiovasculares (hipertensão arterial, por exemplo) e doenças renais (insuficiência renal, por exemplo); antiinflamatórios não esteroidais (aspirina, diclofenaco, ibuprofeno, naproxeno, etc.) podem causar úlceras gastroduodenais, insuficiência renal e hepática, além do aumento do risco de acidentes cardiovasculares (infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral); antihistamínicos, componente comum de 'pílulas para dormir' e 'antialérgicos', além de insônia rebote, podem provocar sonolência diurna, confusão mental e espessamento das secreções, causando problemas respiratórios crônicos; antiácidos e inibidores das bombas de prótons (omeprazol, pantoprazol, etc.), utilizados indiscriminadamente para tratar a azia crônica e o mal estar gástrico, podem causar diarréia/constipação, má-absorção, fraturas ósseas, deficiência de magnésio (convulsões), etc. Dentre inúmeros outros (abaixo).

Como ressalta o Prof. Dr. Anthony Wong, Diretor Médico do Centro de Assistência Toxicológica do HCFMUSP, em excelente artigo publicado na revista 'Ser Médico' do CREMESP (Quando os remédios são venenos), 'a excessiva prescrição de medicamentos por parte dos médicos precisa ser revista', para que consigamos diminuir as RAMs.

Além dessa 'prescrição médica exagerada', que deveria ser reavaliada regularmente para adequá-la às exigências do paciente e ao momento de vida, a 'automedicação', decorrente do consumo abusivo de medicamentos livres de prescrição (OTC), agrava ainda mais a situação, podendo causar intoxicações, dependência (tolerância) e eventos adversos graves (insuficiência hepática, efeito rebote, etc.).

Infelizmente, ao serem inqueridos sobre os possíveis efeitos adversos/colaterais dos medicamentos descritos nas 'bulas', é comum escutarmos colegas médicos dizerem a seus pacientes: 'não leia a bula, pois se você ler não irá tomar nenhum medicamento'.

Como 'não ler a bula', se é ela que fornece uma noção (embora parcial) dos efeitos adversos/colaterais que os pacientes podem apresentar com o uso dos diversos medicamentos?! Como não esclarecê-los sobre esses possíveis efeitos iatrogênicos consequentes ao emprego inadequado e abusivo dos fármacos modernos?! Com raras exceções, em que pacientes impressionáveis podem ser influenciados pela leitura, o conhecimento destas reações adversas é que permite um mínimo de segurança ao longo da terapêutica, principalmente no tratamento prolongado das doenças crônicas e no emprego indiscriminado de medicamentos observado atualmente.

Atuando em consonância com a máxima hipocrática 'primum non nocere' ('primeiro, não prejudicar'), também conhecida como 'princípio da não-maleficência' pela bioética, os médicos tem a obrigação de evitar riscos, danos e custos aos pacientes, diminuindo o uso exagerado de medicamentos e a indicação desnecessária de exames, procedimentos e cirurgias.

 

Referências bibliográficas

Base de dados PubMed (adverse+drug+reaction)

Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Formulário Terapêutico Nacional (RENAME 2010). 2ª edição.

Digra KK, Pandita A, Saini GS, Bharti R. Pattern of adverse drug reactions in children attending the department of pediatrics in a tertiary care center: a prospective observational study. Clin Med Insights Pediatr. 2015;9:73-8.

 Ponticelli C, Sala G, Glassock RJ. Drug management in the elderly adult with chronic kidney disease: a review for the primary care physician. Mayo Clin Proc. 2015;90(5):633-45.

 Alhawassi TM, Krass I, Bajorek BV, Pont LG. A systematic review of the prevalence and risk factors for adverse drug reactions in the elderly in the acute care setting. Clin Interv Aging. 2014;9:2079-86.

 Pretorius RW, Gataric G, Swedlund SK, Miller JR. Reducing the risk of adverse drug events in older adults. Am Fam Physician. 2013;87(5):331-6.

 Spindelegger CJ, Papageorgiou K, Grohmann R et al. Cardiovascular adverse reactions during antidepressant treatment: a drug surveillance report of German-speaking countries between 1993 and 2010. Int J Neuropsychopharmacol. 2014;18(4).

 Fisher K, Vuppalanchi R, Saxena R. Drug-induced liver injury. Arch Pathol Lab Med. 2015;139(7):876-87.

Teixeira MZ. Efeito rebote dos fármacos modernos: evento adverso grave desconhecido pelos profissionais da saúde. Revista da Associação Médica Brasileira 2013; 59(6): 629-638.

Folha de São Paulo, 'Ciência', 13/12/2008. FDA pode banir drogas para asma.

Folha de São Paulo, 'Ciência', 14/01/2009. Antipsicóticos fazem doente de Alzheimer viver menos.

Folha de São Paulo, 'Ciência', 19/01/2009. Mais da metade dos idosos toma ao menos cinco remédios ao mesmo tempo.

Folha de São Paulo, 'Equilíbrio e Saúde', 11/11/2012. Pesquisa revela remédios mais consumidos pelos brasileiros.

Folha de São Paulo, 'Equilíbrio e Saúde', 17/10/2013. Uso excessivo de Tylenol causa 150 mortes por ano nos EUA, diz ONG.

Wong, Anthony. Quando os remédios são venenos. Ser Médico (Cremesp), Nº 71, Ano XVIII, Abr/Mai/Jun 2015, p. 22-24.

The New York Times International Weekly (Folha de São Paulo, 12/12/2015). Excesso de remédios prejudica idosos.

Folha de São Paulo, 'Equilíbrio e Saúde', 14/12/2015. Remédio livre de prescrição pode causar intoxicação e dependência.

 

Dr. Marcus Zulian Teixeira



HOMEOPATIA:
Ciência, Filosofia e Arte de Curar

Prof. Dr. Marcus Zulian Teixeira
Rua Teodoro Sampaio, 352 - Cj.128
CEP 05406-000 - São Paulo - SP
(11) 3083-5243 | 3082-6980
marcus@homeozulian.med.br
Todos os direitos reservados a Marcus Zulian Teixeira - Escritório de Direitos Autorais - Fundação Biblioteca Nacional