HOMEOPATIA:
Ciência, Filosofia e Arte de Curar


Tese de Doutorado / Pós-Doutorado 

Tese de Doutorado

Ensaio clínico quali-quantitativo para avaliar a eficácia e a efetividade do tratamento homeopático individualizado na rinite alérgica perene (FMUSP, 2005-2009)

Quali-quantitative clinical trial to evaluate the efficacy and the effectiveness of individualized homeopathic treatment in perennial allergic rhinitis (FMUSP, 2005-2009)

Disponível em: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP

 

Resumo

Introdução: A rinite alérgica é uma condição clínica comum que apresenta sintomas diversos num significante número de pacientes, deteriorando a qualidade de vida daqueles refratários aos tratamentos usuais (anti-histamínicos e corticosteróides nasais tópicos). Apresentando princípios curativos similares, a imunoterapia sublingual e a homeopatia podem reduzir os sintomas e a necessidade de medicamentos na rinite alérgica, embora a eficácia e a efetividade de ambas terapêuticas não sejam ainda suficientemente conhecidas. Objetivos: O objetivo deste estudo foi avaliar a efetividade clínica do tratamento homeopático individualizado prolongado, comparativamente ao placebo, em adultos portadores de rinite alérgica perene. Métodos: Um total de 41 pacientes com rinite alérgica perene foi alocado numa primeira fase duplo-cego e placebo-controlada durante seis meses, sendo tratada com doses sublinguais semanais de medicamentos homeopáticos individualizados ou placebo. Após esta fase inicial fechada, todos os pacientes foram convidados a participar de uma segunda fase controlada aberta, em que receberiam tratamento homeopático pelo período máximo de 36 meses, e os resultados foram comparados com a melhora da fase inicial. O escore dos sinais e sintomas, a necessidade de medicamentos de resgate e a qualidade de vida foram mensurados por questionários e avaliações clínicas pessoais, aplicadas por um mesmo avaliador independente, antes e após cada fase. As doses dos medicamentos homeopáticos e de resgate utilizados, assim como os efeitos colaterais, foram documentados num diário pessoal. Os desfechos clínicos primário e secundários foram, respectivamente, os escores dos sinais e sintomas alérgicos específicos e gerais. Títulos da IgE total foram mensurados antes e após cada fase. Resultados: Após os seis meses da fase placebo-controlada inicial, na análise por protocolo de todos os pacientes incluídos no estudo, não foram observadas diferenças significativas entre os grupos ativo e placebo nos escores clínicos, na utilização de drogas de resgate, na qualidade de vida e nos títulos da IgE total. Entretanto, as análises dos subgrupos da segunda fase mostraram uma crescente e significativa melhora nos desfechos clínicos primário e secundários após 12 meses de tratamento homeopático individualizado, comparativamente à variação de melhora dos mesmos pacientes na fase inicial fechada. Diferença significativa na qualidade de vida foi observada apenas após o segundo ano de tratamento homeopático. Conclusão: Neste estudo, o tratamento homeopático foi acompanhado de um significante efeito placebo. A efetividade da homeopatia pôde ser observada após 12 meses da terapêutica, apresentando efeito preventivo de longa duração após 36 meses de tratamento homeopático individualizado.

 

Trabalhos decorrentes

- Teixeira MZ. Bases psiconeurofisiológicas do fenômeno placebo-nocebo : evidências científicas que valorizam a humanização da relação médico-paciente. Revista da Associação Médica Brasileira [online], 2009, vol. 55, n. 1, p. 13-18. Disponível em 

- Teixeira MZ, Martins MA. Effectiveness of individualized homeopathic treatment in perennial allergic rhinitis (PAR). International Journal of High Dilution Research [online], 2009, vol. 8, n. 28, p. 141-143. Disponível em

- Teixeira MZ, Guedes CH, Barreto PV, Martins MA. The placebo effect and homeopathy. Homeopathy [online], 2010, vol. 99, n. 2, p. 119-129. Disponível em

- Teixeira MZ, Guedes CH, Barreto PV, Martins MA. El efecto placebo y la homeopatía. Revista Médica de Homeopatía 2014; 7(3): 119-130. Disponível em

 


Projeto de Pós-Doutorado

 

Tratamento homeopático da endometriose com estrogênio dinamizado: ensaio randomizado, duplo-cego e placebo-controlado de 24 semanas de duração (FMUSP, 2014-2017)

Potentized estrogen in homeopathic treatment of endometriosis-associated pelvic pain: a 24-week, randomized, double-blind, placebo-controlled study (FMUSP, 2014-2017)

Teixeira MZ, Podgaec S, Baracat EC. Potentized estrogen in homeopathic treatment of endometriosis-associated pelvic pain: a 24-week, randomized, double-blind, placebo-controlled study. European Journal of Obstetrics & Gynecology and Reproductive Biology 2017; 211: 48–55. Disponível em

 

Resumo

Objetivo: Avaliar a eficácia e a segurança do estrogênio dinamizado em comparação com placebo no tratamento homeopático da dor pélvica associada a endometriose (DPAE). Desenho do estudo: O presente estudo é ensaio randomizado, duplo-cego e placebo-controlado de 24 semanas que incluiu 50 mulheres com idades entre 18-45 anos de idade, diagnóstico de endometriose infiltrativa profunda baseado em imagens de ressonância magnética ou ultra-som transvaginal com preparo intestinal e escore ≥ 5 na escala analógica visual (VAS: faixa de 0 a 10) para dor pélvica associada à endometriose. Estrogênio dinamizado (12cH, 18cH e 24cH) ou placebo foi administrado duas vezes ao dia por via oral. A medida de desfecho primário foi a mudança na gravidade da DPAE, com escore global e parcial (VAS) entre as semanas 0-24, determinado pela diferença entre a pontuação média de cinco modalidades de dor pélvica crônica (dismenorreia, dispareunia profunda, dor pélvica não-cíclica, dor intestinal cíclica e/ou dor urinária cíclica). Os desfechos secundários foram a diferença no escore médio para qualidade de vida (SF-36), sintomas de ansiedade (Inventário de Ansiedade de Beck, IAB) e sintomas de depressão (Inventário de Depressão de Beck, IDB). Resultados: O escore global da DPAE (VAS: faixa de 0 a 50) diminuiu 12.82 (P < 0,001) no grupo tratado com o estrogênio dinamizado entre as semanas 0-24. O grupo que usou estrogênio dinamizado também exibiu redução no escore parcial (VAS: faixa de 0 a 10) em três modalidades DPAE: dismenorreia (3,28; P < 0,001), dor pélvica não-cíclica (2.71; P = 0,009) e dor intestinal cíclica (3,40; P < 0,001). O grupo placebo não apresentou quaisquer alterações significativas nos escores globais ou parciais da DPAE. Além disso, o grupo do estrogênio dinamizado mostrou melhora significativa em três dos oito domínios do SF-36 (dor corporal, vitalidade e saúde mental) e nos sintomas de depressão (BDI). O grupo placebo não mostrou qualquer melhoria significativa nestes desfechos. Estes resultados demonstraram a superioridade do estrogênio dinamizado perante o placebo. Alguns efeitos adversos foram associados com o estrogênio dinamizado. Conclusões: O estrogênio dinamizado (12cH, 18cH e 24cH) na dose de 3 gotas duas vezes ao dia durante 24 semanas foi significativamente mais eficaz que o placebo na redução da dor pélvica associada à endometriose. Trial registration: ClinicalTrials.gov Identifier: NCT02427386

 

Trabalhos decorrentes

- Teixeira MZ, Podgaec S, Baracat EC. Protocol of randomized controlled trial of potentized estrogen in homeopathic treatment of chronic pelvic pain associated with endometriosis. Homoeopathy 2016; 105(3): 240-249. Disponível em 

- Teixeira MZ. Therapeutic use of the rebound effect of modern drugs: “New homeopathic medicines”. Revista da Associação Médica Brasileira 2017; 63(2): 100-108. Disponível em

- Teixeira MZ, Podgaec S, Baracat EC. Reply to “Letter to the Editor” by Moran et al. “Comment on ‘Potentized estrogen in homeopathic treatment of endometriosis associated pelvic pain: A 24-week, randomized, double-blind, placebo-controlled study’”. European Journal of Obstetrics & Gynecology and Reproductive Biology 2017; 214: 195-7. Disponível em

- Teixeira MZ, Podgaec S, Baracat EC. Estrogênio potencializado no tratamento homeopático da dor pélvica crônica associada à endometriose: Um estudo de 24 semanas, randomizado, duplo-cego e placebo-controlado. Revista de Homeopatia (São Paulo. Online) 2017; 80(1/2): 148–163. Disponível em

- Teixeira MZ, Podgaec S, Baracat EC. News - Potentised Oestrogen in Homeopathic Treatment of Endometriosis-Associated Pelvic Pain: A 24-week, Randomised, Double-Blind, Placebo-Controlled Study. Homoeopathic Links 2017; 30(3): 154. Disponível em

- Teixeira MZ, Podgaec S, Baracat EC. Estrogênio potencializado no tratamento homeopático da dor pélvica crônica associada à endometriose: Um estudo de 24 semanas, randomizado, duplo-cego e placebo-controlado. Revista de Homeopatia (São Paulo. Impressa) 2017; 80(Supl 1/2): 88-97. Disponível em

 



HOMEOPATIA:
Ciência, Filosofia e Arte de Curar

Prof. Dr. Marcus Zulian Teixeira
Rua Teodoro Sampaio, 352 - Cj.128
CEP 05406-000 - São Paulo - SP
(11) 3083-5243 | 3082-6980
[email protected]
Todos os direitos reservados a Marcus Zulian Teixeira - Escritório de Direitos Autorais - Fundação Biblioteca Nacional